Modalidades: Karatê

Continuando com o passeio pelas modalidades de Artes Marciais e Esportes de Combate, o Karatê, uma das artes marciais mais populares, entra no nosso tatame.

No artigo abaixo você irá conhecer um pouco da história do karatê, suas características e algumas curiosidades.

Bora? Hajime!

Breve história do Karatê

O Karatê (空手 – literalmente “mãos vazias” ou 空手道 – caminho das mãos vazias) é uma arte marcial de origem japonesa. Diz-se que nasceu na ilha de Okinawa, Japão. E seu surgimento se dá partir de uma combinação das artes regionais okinawanas, de técnicas militares chinesas, lutas japonesas e das disciplinas guerreiras (Budô).

A arte nasceu em um contexto em que o uso de armas era proibido pela população de Okinawa, restando aos habitantes terem de aprender a se defender através de outros meios.

Karatê

O Karatê se tornou esporte oficial no Japão em 1902, após um amplo processo de modernização da arte marcial. Esse processo incluiu a adoção do kimono branco (ou karategi) e das faixas coloridas de graduação. Também incluiu a padronização de algumas técnicas.

Alguns nomes importantes do karatê

  • Anko Itosu (1831-1915)

Sensei Itosu é considerado um dos grandes precursores dos estilos modernos de karatê. Ele simplificou o treino a unidades fundamentais: os kihons (técnicas básicas, combinadas, por exemplo, de um soco, uma esquiva e uma base).

Karatê

Sensei Itosu

Também compilou uma série de katas, denominados Pinan, com técnicas mais simples e que passaram a formar o currículo introdutório da arte marcial.

Tais mudanças fomentaram o caráter esportivo e de promoção da saúde: focou-se na postura, mobilidade, flexibilidade, tensão, técnicas respiração e relaxamento.

  • Gichin Funakoshi (1868-1957)

Conhecido como o pai do karatê moderno, Funakoshi foi principal divulgador da arte marcial pelo arquipélago japonês. Entre 1902 e 1915, sensei Funakoshi viajou com seus melhores alunos, realizando demonstrações públicas de karatê. Logo, a arte caiu nas graças do governo e do exército do Japão.

Karatê

Sensei Funakoshi

Seu trabalho também marca a transição de arte marcial para disciplina física, deixando ser visto apenas como meio de autodefesa. Ademais, seus ensinamentos deram as bases para o estilo Shotokan.

Foi amigo pessoal de Jigoro Kano, fundador do Judô, que contribuiu com o padrão do uniforme de treino, com as graduações e com algumas técnicas que foram compiladas dentro do Shotokan.

A morte de Funakoshi foi um evento marcante que fomentou o aumento da fragmentação dos estilos.

Características e Estilos

De modo geral, as técnicas do katarê constituem-se em golpes em pontos vitais (atemi waza), através de chutes, socos, joelhadas e bofetadas com as mãos vazias. Também podem incluir técnicas de projeção, imobilização e bloqueios  (nage wazakatame waza uke waza), que irão depender do estilo praticado.

O Karatê moderno divide-se em:

  • kihon (técnicas básicas);
  • kata (sequência de técnicas, simulando luta com várias aplicações práticas);
  • kumite (luta ou combate propriamente dito).

Há cerca de 50 estilos de karatê. Porém, geralmente consideram-se oito grandes estilos, que são:

  • Shotokan
  • Shito-ryu
  • Goju-ryu
  • Uechi-ryu
  • Shorin-ryu
  • Budokan
  • Kenyu-ryu
  • Kyokushin

Apesar dos vários estilos, pode-se dizer que há duas correntes maiores dentro do karatê: uma que tende a preservar o aspecto marcial e filosófico (tradicional) e outra que enfatiza os aspectos esportivo e lúdico.

Esporte ou arte marcial?

O Karatê é um esporte ou arte marcial? Bem, essa é uma discussão de longa data e que ainda continua rendendo intensos debates, na qual não vale a pena nos aprofundarmos por enquanto. Portanto, vamos apenas contextualizar os pontos de vista.

De modo geral, há aqueles praticantes, instrutores e mestres que advogam pelo condicionamento físico, velocidade, flexibilidade, capacidade aeróbica com fins de competições e combates. Esse é comumente chamado de Karatê Esportivo.

Karatê

Por outro lado, existem os mestres que defendem a prática de exercícios rigorosos, pautados pela disciplina do Budô, que visam o desenvolvimento da resistência dos membros – seja através de provas de quebramento de madeira, tijolo ou gelo, por exemplo. Esse é o Karatê Tradicional.

Há ainda uma terceira via, daqueles que não rejeitam os avanços e descobertas das Ciências do Esporte e sua aplicabilidade nas modalidades marciais e de combate. Porém, argumentam que o foco tradicional ou esportivo irá depender mais da interpretação do praticante (e do instrutor) do que da arte em si. Ou seja, independente do foco da prática, a filosofia oriental é indossociável da arte marcial.

Afinal, assim como outros elementos da cultura japonesa, o Karatê está imbuido de aspectos filosóficos e religiosos, como Zen Budismo. Fala-se de “zen em movimento” e as aulas, geralmente, começam e terminam com a meditação zen. Desse modo, defende-se ainda que esses aspectos tradicionais auxiliam a maximizar o autocontrole, a atenção, a força e velocidade, mesmo diante de condições adversas.

O Karatê como esporte olímpico

Depois de muito choro e muita gente batendo o pé, não teve jeito: o Karatê é olímpico.

Em 1999, o Comitê Olímpico Internacional (COI) reconheceu a Federação Mundial de Karatê (World Karate Federation – WKF) como representante da modalidade a nível mundial e como responsável pela sua concorrência para entrar nos Jogos Olímpicos.

Assim, a WKF desenvolveu regras comuns para todos os estilos e nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, a arte marcial apareceu como esporte de demonstração.

Karatê

Para que um esporte seja aceito como olímpico, o COI estabelece dois parâmetros:

  1. ser praticado em muitos países (ter muitos membros), e
  2. ser representado por uma entidade mundialmente reconhecida.

Por isso, em 2016, o Karatê foi aprovado pelo COI como modalidade olímpica para os jogos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020.

Competições

Desde os anos 50, as competições de karatê começaram a ser promovidas de modo intenso. Em geral, os torneios são realizados em duas modalidades, kata e kumite:

  • Kata: Os pontos são concedidos por cinco juízes, de acordo com a qualidade do desempenho do atleta. São critérios fundamentais:
    • a execução correta dos movimentos;
    • e a interpretação pessoal através da variação de velocidade dos movimentos (bunkai).

Pode ser executado em grupo (usualmente, de três atletas), em que se avalia também a sincronização dos movimentos entre os membros do grupo.

  • Kumite: dois oponentes (ou duas equipes) enfrentam-se por um tempo, que pode variar de dois a cinco minutos. Os pontos são concedidos:
    • pela técnica
    • pela área do corpo em que os golpes são desferidos.

As técnicas permitidas e os pontos possíveis de serem atacados variam de acordo com o estilo. Ademais, o kumite pode ser de semi-contato (como no estilo Shotokan), ou de contato direto (como no Kyokushin).

Pontuação do kumite

  • Yuko (equivalente a um ponto) – soco na área do abdômem, do peito, do rosto ou costas;
  • Wazari (dois pontos) – chute na área das costas; chute na área do abdômem ou do peito; chute nas laterais do tronco;
  • Ippon (três pontos) – chute na cabeça ou nas laterais do pescoço, com contato rigorosamente controlado (ou, dependendo da categoria em disputa, com aproximação de 5 cm a 10 cm, (desde que o oponente não esboce reação), independentemente do oponente estar caído ou não; aplicar uma técnica pontuável no oponente completamente caído e sem chances de contra-atacar, num intervalo de até 2 segundos, independentemente de ter caído por si só ou ter sido derrubado com técnica de varredura ou projeção.

O Karatê na Mídia e o Perfil do atleta / praticante

Divulgação na mídia

No Brasil, o Karatê chegou pelas mãos dos imigrantes japoneses, no começo do século XX. Sua popularidade aumentou com os vários filmes e o apelo midiático. Afinal, quem aí não se lembra de Karate Kid?

Atores como Jean-Claude Van Damme, Chuck Norris e Dolph Lundgren também endossaram essa popularidade.

Karatê

Lyoto Machida

No MMA, o brasileiro Lyoto Machida figura como um dos karatecas mais conhecidos no octógno. Ele foi campeão da categoria dos meio-pesados, chegando a ficar 13 lutas invicto. Atualmente, após uma longa suspensão por doping, Lyoto volta ao UFC nesse ano (28 de outubro de 2017, contra Derek Brunson).

Perfil do praticante e do atleta

Para alguns mestres e instrutores, o praticante de Karatê é um estudioso da arte marcial, o qual busca desenvolver-se através de uma disciplina rigorosa, filosofia e ética – para além de aprender movimentos e alcançar o condicionamento físico. Fala-se de um “estilo de vida” do karateca.

Já no âmbito das competições, principalmente as de luta, é certo modalidade exigirá do atleta reflexos rápidos e velocidade no tempo de resposta, além de técnica, estratégia e autocontrole.

Em Psicologia do Esporte, argumenta-se sobre a existência de um perfil psicológico específico de cada modalidade ou mesmo as características mais relevantes num grupo de indivíduos. Porém, no âmbito do Karate poucos estudos foram realizados.

Antes de tudo, é preciso salientar que pesquisadores asseveram que o processo de formação de um faixa preta ou atleta modifica determinadas características psicológicas – ao invés de serem apenas resultados de uma “autosseleção” da modalidade.

Nas referências deste texto, você irá encontrar alguns com fins de caracterizar o perfil psicológico do praticante de Karatê, comparando-o de acordo com a especialidade praticada (kumite ou kata), por exemplo.

De modo geral, independente do foco competitivo ou não, pesquisas apontam para o aumento da confiança, autoestima e diminuição da ansiedade em atletas e praticantes mais experientes.

Referências e Indicações de Leitura

BUDNIK, D. Personality profile, stress coping styles and self-image ok karate competitors with different attitudes towards meditation. Journal of Combat Sports and Martial Arts, v.1, n.2., p.15-19, 2010.

FUNAKOSHI, Gichin. Karate-Dô – o meu modo de vida. São Paulo: Cultrix, 1975.

GOUVEIA, Pedro. Perfil psicológico de prestação, orientações motivacionais e negativismo dos praticantes de karate. (2011) Dissertação de Mestrado (Avaliação e Prescrição da Actividade Física) – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real. 2011.

KODMAN, F. Personality traits of black belt karate instructors. Social Behavior and Personality, v.10, n.2, p. 173-175, 1982.

SOHRABI, F. et al. Psychological Profile of Athletes in Contact and Non-Contact Sports. Middle-East Journal of Scientific Research, v.9, n.5, p. 638-644, 2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *